Receitas tradicionais

Seven Grand: Bartenders fazem deste lugar o meu favorito!

Seven Grand: Bartenders fazem deste lugar o meu favorito!

Os barmen tornam este lugar o meu favorito!

Não só eles são bons, mas eles servem bebidas realmente fortes e boas a preços decentes! Os bartenders do Seven Grand exibem completamente um ótimo serviço de bar. Um ótimo lugar para uma bebida em LA.


Seven Grand: Bartenders fazem deste lugar o meu favorito! - Receitas

É difícil acreditar que há pouco mais de quatro anos Los Angeles era um deserto (relativo) de coquetéis.

A cidade ainda não tinha se recuperado da quase morte do bartending e da mixologia, cujo nadir nos deu o verde outrora onipresente e colorido artificialmente e com sabor & # 8220apple-tinis & # 8221 e mais frequentemente do que não o melhor você poderia fazer (além de beber cerveja, vinho ou destilados puros) era um cosmopolita excessivamente doce (e igualmente onipresente).

As coisas começaram a melhorar para nós no início de & # 821700s, quando Wes e eu nos tornamos frequentadores assíduos de um restaurante maravilhoso (e agora fechado) em Glendale chamado Cinnabar. Nosso amigo Ted & # 8220Dr. Cocktail & # 8221 Haigh trabalhou com eles para montar um menu incrível de coquetéis clássicos, e em nossa primeira visita ficamos emocionados ao vê-lo. Finalmente, um lugar onde poderíamos sair e tomar um coquetel clássico realmente bom! Nós também ficamos emocionados rapidamente com a comida, e bebemos e jantamos lá regularmente até o fechamento de 2005.

Para mim, o momento em que a coisa mudou foi no Tales of the Cocktail em New Orleans em 2007. Eu tinha acabado de participar de um seminário sobre ingredientes de coquetéis caseiros e extintos no qual fiz uma apresentação sobre meu licor caseiro de pimenta da Jamaica quando era jovem o barman se aproximou e se apresentou. & # 8220Eu acabei de ajudar a abrir um bar em Los Angeles & # 8212 nós & # 8217 estamos abertos há três meses agora, e eu realmente quero que você venha. & # 8221 Na verdade, eu tinha ouvido falar desse bar, embora fosse o Imperador Deus da Procrastinação I ainda não tinha chegado lá. O barman era Marcos Tello, o bar era Seven Grand, e o resto é história. Los Angeles & # 8217 cocktail renaissance & # 8212 para mim, pelo menos & # 8212 havia começado.

Agora & # 8230, temos um número assustadoramente grande de bares de coquetéis verdadeiramente maravilhosos (muitos deles de classe mundial) nesta cidade que não consigo acompanhar todos eles. Achei que já era hora de fazer uma lista deles e vou torná-la fixa em algum lugar do site para que seja fácil de encontrar.

Estes são bares nos quais os bartenders (e seus confiáveis ​​barbacks) espremem seus próprios sucos (que agora é de rigueur em um bar onde beberei coquetéis, no que me diz respeito). Esses são bares nos quais você não terá que perguntar se eles têm uísque de centeio, a menos que você queira saber quantos diferentes eles estocam. Você não terá que lembrar ao barman que um Manhattan contém amargos, e é improvável que você obtenha um Old Fashioned confuso, no qual a fatia de laranja e a cereja artificial com um vermelho neon falso são transformados em uma polpa nojenta. Eles terão menus de novos coquetéis clássicos e criativos. Muitos, se não a maioria, usam cubos de gelo grandes e transparentes e quebram o próprio gelo para mexer ou sacudir alguns deles, na verdade, fazem seu próprio gelo. Frutas frescas, vegetais e ervas são usados. Xaropes e bitters caseiros não são incomuns.

É aqui que se bebe em Los Angeles (e arredores). A maioria são bares independentes, alguns são restaurantes, todos eles servem uma bebida realmente boa. Muitos deles irão atendê-lo de forma incrível.

320 Main, 320 Main St., Seal Beach, CA 90740. (562) 799-6246. Jason Schiffer, coproprietário. Erik Trickett, Matt Robold et al., Bartenders.

Restaurante A-Frame, 12565 Washington Blvd., Los Angeles, CA 90066. (310) 398-7700. Programa de bar de Brian Butler.

Areal, 2820 Main Street, Santa Monica, CA 90405. (310) 392-1661. Rich Andreoli.

Bar 1886 no Raymond, 1250 S. Fair Oaks Ave, Pasadena, CA 91105. (626) 441-3136. Cardápio de coquetéis de Marcos Tello & # 038 Aidan Demarest, e a equipe de 1886: barman chefe Garrett McKechnie e barmen Danny Cymbal, Brady Weise, Greg Gertmenian, Lacey Murillo, et al.

Bar | Cozinha, O Hotel, 819 S. Flower St., Los Angeles, CA 90017. (213) 623-9904 x105. Programa de bar de Alex Day e David Kaplan.

Bar Bouchon, 235 N Canon Dr., Beverly Hills, CA 90210. (310) 281-5698. Pequeno e casual, no térreo e à direita da entrada principal do restaurante e # 8217s.

Bar Centro, The Bazaar at SLS Hotel, 465 S La Cienega Blvd., Beverly Hills, CA 90211. (310) 246-5555.

Bar Marmont, 8171 W. Sunset Blvd, Hollywood, CA 90046. (323) 650-0575.

Big Bar em The Alcove, 1929 Hillhurst Ave., Los Angeles, CA 90027. (323) 644-0100. Juan Sevilla et al., Bartenders.

Bar de licores do mercado negro, 11915 Ventura Blvd., Studio City, CA 91604. (818) 446-2533. Tricia Alley, Ray Ewers, et al., Bartenders.

Bottega Louie, 700 S. Grand Ave, Los Angeles, CA 90017. (213) 802-1470. Do outro lado da rua do Seven Grand.

Bouchon Bistro, 235 N Canon Dr., Beverly Hills, CA 90210. (310) 271-9910. O bar do andar superior do bistrô tem uma equipe e um menu separados.

Caña Rum Bar, 714 W. Olympic Blvd, Los Angeles, CA 90015. (213) 745-7090. Entre na primeira garagem privada ao sul do Olympic on Flower St. Membros apenas a adesão está aberta e custa $ 20 anualmente. Allan Katz, gerente geral.

Igreja e bistrô estadual, 1850 Industrial St., Los Angeles, CA 90021. (213) 405-1434.

Cole & # 8217s Red Car Bar, 118 East 6th St., Los Angeles, CA 90014. (213) 622-4090.

Restaurante Comme Ça, 8479 Melrose Ave., West Hollywood, CA 90069. (323) 782-1104.

Copa d & # 8217Oro, 217 Broadway, Santa Monica, CA 90401. (310) 576-3030. Vincenzo Marianella, proprietário.

Craft Los Angeles, 10100 Constellation Blvd, Los Angeles, CA 90067. (310) 279-4180.

La Descarga, 1159 North Western Ave., Los Angeles, CA 90038. (323) 466-1324. Steve Livigni, gerente geral. Pablo Moix, Ken Arbuckle, et al., Bartenders.

Drago Centro, 525 S Flower St., Suite # 120, Los Angeles, CA 90071. (213) 228-8998. Michael Shearin, sommelier e diretor de bebidas. Jaymee Mandeville, Jen Len, Mark Blackhart et al., Bartenders.

The Edison, 108 W 2nd St., Los Angeles, CA 90012. (213) 613-0000.

Restaurante El Carmen, 8138 W Third St., Los Angeles, CA 90048. (323) 852-1552. Grande seleção de tequilas.

Restaurante The Eveleigh, 8752 W. Sunset Blvd., West Hollywood, CA 90069. (424) 239-1630.

Clube de ceia First & amp Hope, 710 W 1st St., Los Angeles, CA 90012. (213) 617-8555.

Harvard e # 038 Stone, 5221 Hollywood Blvd. (em N. Harvard), Los Angeles, CA 90027. (323) 466-6063. Programa de bar de Steve Livigni & # 038 Pablo Moix de La Descarga. Matt Wallace, bartender principal, com bartenders Rich Andreoli, Nathan Oliver, François Vera e # 038 Mia Sarazen, equipe de abertura.

Hemingway’s Lounge, 6356 Hollywood Blvd., Hollywood, CA 90028. (323) 469-0040.

O gato faminto, 135 N Vine St. em Sunset, Los Angeles, CA 90028. (323) 462-2155.

Jones, 7205 Santa Monica Blvd, West Hollywood, CA 90069. (323) 850-1726. Eric & # 8220E.T. & # 8221 Tecosky et al, bartenders.

Las Perlas, 107 E 6th St., Los Angeles, CA 90014. (213) 988-8355. Do outro lado da rua da Cole & # 8217s. Tequila e amp mezcal.

Bar da Biblioteca, Roosevelt Hotel, 7000 Hollywood Blvd., Hollywood, CA 90028. Matthew Biancaniello, Ryan Green, Brady Weise et al., Bartenders.

Malo Taqueria, 4326 W Sunset Blvd, Los Angeles, CA 90029. (323) 664-1011.

Mixology 101 em Planet Dailies, 6333 W. 3rd St., Ste. O20, Los Angeles, CA 90036, (323) 370-6560. O gerente do bar Joseph Brooke.

Musso e Frank Grill, 6667 Hollywood Blvd., Los Angeles, CA 90028. (323) 467-7788.

Arrumado, 1114 N. Pacific Ave., Glendale, CA 91202. (818) 241-4542. Proprietário Aidan Demarest. Bartenders Cari Hah, et al.

Sala ao lado, 1154 N Highland Ave., Los Angeles, CA 90038. (323) 465-5505. Barman chefe, Joe Brooke.

Osteria Mozza, 6602 Melrose Ave., Los Angeles, CA 90038. (323) 297-0100. Melhor coleção de italiano Amari em Los Angeles, talvez em qualquer lugar.

A paróquia, 840 S. Spring St. em 9, Los Angeles, CA 90014. (213) 225-2400. John Coltharp, barman chefe. Leo Rivas, Edwin Cruz, Brian Summers, et al. Chef Casey Lane.

Picca Peru, 9575 W. Pico Blvd., Los Angeles, CA 90035. (310) 277-0133.

Barra de verificação do plano, 1800 Sawtelle Blvd., Los Angeles, CA 90025. (310) 288-6500.

Playa, 7360 Beverly Blvd., Los Angeles, CA 90036. (323) 933-5300.

Despeje Vous, 5574 Melrose Ave., Los Angeles, CA 90004. (323) 871-8699. Pablo Moix, Dave Fernie, et al.

Providence Restaurant, 5955 Melrose Ave., Los Angeles, CA 90038. (323) 460-4170. Zahra Bates, barman.

Restaurante Rivera, 1050 S Flower St., Los Angeles, CA 90015. (213) 749-1460. Julian Cox et al., Bartenders.

The Roger Room, 370 N La Cienega Blvd, Los Angeles, CA 90048. (310) 854-1300. Damian Windsor, Jason Bran et al., Bartenders.

Seven Grand, 515 W 7th St., Los Angeles, CA 90014. (213) 614-0737.

Restaurante Sotto, 9575 W. Pico Blvd., Los Angeles, CA 90035. (310) 277-0133. Coquetéis por Julian Cox e equipe.

A sala sobressalente, Mezzanine Level, Roosevelt Hotel, 7000 Hollywood Blvd., Hollywood, CA 90028. Duas pistas de boliche, gamão e xadrez, jogos de tabuleiro.

Sunny Spot, 822 Washington Blvd. em Abbot Kinney, Venice, CA 90292. (310) 448-8884. Brian Butler, et al.

The Tasting Kitchen, 1633 Abbot Kinney Blvd., Venice, CA 90291. (310) 392-6644. John Coltharp, Justin Pike et al., Bartenders.

The Thirsty Crow, 2939 W. Sunset Blvd., Silver Lake, Los Angeles, CA. (323) 661-6007.

Tiki-Ti, 4427 W Sunset Blvd., Los Angeles, CA 90027. (323) 669-9381. Mike Buhen Sr. & amp Jr., bartenders.

Tlapazola Grill, 11676 Gateway Blvd. Los Angeles, CA 90064 (310) 477-1577. Edwin Cruz, barman e coproprietário.

Tony & # 8217s Saloon, 2017 E 7th St., Los Angeles, CA 90021. (213) 622-5523.

O verniz, 118 E Sixth St., Los Angeles 90014. (213) 622-9999. Entrada por uma porta indistinta na parte de trás da sala de jantar em Cole & # 8217s French Dip. Eric Alperin, coproprietário e bartender amplificador. Chris Bostick, gerente e bartender. Devon Tarby et al., Bartenders.

Villains Tavern, 1356 Palmetto, Los Angeles, CA 91003. (213) 613-0766. Dave Whitton, coproprietário e bartender amp, et al.

Westside Tavern, 10850 W Pico Blvd., Los Angeles, CA 90064. (310) 470-1539. Kylee Van Dillen, Dan McClary, et al., Bartenders.

Se eu perdi algum, grite comigo nos comentários. Também & # 8230 eu sei & # 8217 é perigoso listar qualquer bartenders nas listas de bar & # 8212 it & # 8217s quase um trabalho de tempo integral manter o controle de onde meus amigos bartenders estão trabalhando. Eu acrescentei mais alguns nomes bem conhecidos de pessoas que eu sei que são relativamente estabelecidas, pelo menos por enquanto.

Próxima parada & # 8230 onde conseguir um ótimo coquetel em New Orleans.

Você pode acompanhar quaisquer respostas a esta entrada através do feed RSS 2.0. Comentários e pings estão fechados no momento.


Melhores práticas: a chave para dominar as margaritas é a atenção aos detalhes

Pergunte a 10 pessoas com idade legal para beber se elas gostam de Margaritas e espere receber em troca uma boa quantia em dinheiro.

Margaritas têm sido o coquetel mais popular nos EUA por dois anos consecutivos, de acordo com dados da Nielsen. As vendas de tequila nos Estados Unidos aumentaram 9,9%. E a invenção de Margs congelados em 1971 certamente lançou as bases para o Frosé and Pinot Freezio de hoje, mas também transformou um incipiente restaurante familiar do Texas, o Chili's, em uma rede nacional que fatura US $ 3,42 bilhões por ano.

Uma Margarita clássica requer apenas três ingredientes: tequila, suco de limão e triple sec. A simplicidade dessa rubrica deixa pouco espaço para erros, mas muito espaço para inovação. Assim, a proliferação de variações alternativamente estranhas e sublimes de Margarita em mixers pré-embalados ou bares criativos.

A chave para fazer Margaritas dignas de elogio em casa é a atenção aos detalhes.

“Como um coquetel de três ingredientes, cada componente desempenha um papel central”, diz Jim Kearns, diretor de bar e sócio-gerente da The Happiest Hour e Slowly Shirley em Nova York. “Com tão poucos ingredientes, qualquer tentativa de cortar custos vai se destacar.”

Pedimos dicas a Kearns e a outros bartenders de todo o país. Aqui estão seis coisas que devemos e não devemos fazer para dominar Margaritas.

O que fazer ao fazer Margaritas

1. Faça seu próprio suco.

Conversamos com sete bartenders sobre como fazer ótimas Margaritas, e todos enfatizaram a importância do suco de limão espremido na hora.

“Prefiro beber uma Margarita feita com tequila barata e suco de limão fresco do que uma feita com licor premium e mistura azeda comprada em loja”, diz Aren Bellendo, bartender chefe da SideDoor and Lawry’s em Chicago.

Misturas pré-fabricadas e sucos engarrafados têm quantidades variáveis ​​de açúcar que irão prejudicar o equilíbrio agridoce do seu coquetel. Fique com ingredientes naturais como suco caseiro, no entanto, e você saberá exatamente quanta doçura precisa adicionar para compensar o ácido cítrico.

2. Use a melhor tequila que você puder pagar.

Você pode ter uma garrafa de tequila barata por aí, ou ver uma em descontos triplos em sua loja local. É tentador jogar isso em um coquetel e esperar que os outros ingredientes escondam suas falhas.

Resista a esse impulso. Como existem tão poucos componentes em uma Margarita, cada um é importante. Se você usar tequila de baixa qualidade com sabores estranhos ou um gosto residual alcoólico, seu coquetel terá exatamente os mesmos defeitos.

“Apenas a tequila de agave azul Weber 100% deve ser usada, sempre, para qualquer coisa”, diz Kearns. Suas tequilas favoritas para fazer Margaritas incluem Siete Leguas, Siembra Azul, Cabeza e Pueblo Viejo Blanco. Também gostamos da Casa Noble Crystal e dessas outras seis.

(Se você não tem tempo ou orçamento para uma nova garrafa de tequila, lembre-se da dica anterior sobre o mérito dos limões espremidos na hora. Frutas inteiras costumam ser mais baratas do que sucos preparados ou misturadores também.)

3. Conheça suas proporções.

Um erro comum de Margarita é adoçar demais o coquetel, de acordo com Kenneth McCoy, diretor de criação do Public House Collective, um grupo de hospitalidade de Nova York. “Você quer que o limão apareça e dê uma mordida sutil, para não sentir como se estivesse bebendo um Slurpee do 7-Eleven”, diz ele.

A melhor maneira de fazer uma Margarita agridoce perfeita é conhecer suas proporções.

“As proporções são tudo”, diz Amanda Swanson, sommelier de agave da Añejo em Nova York. “A partir daí, você pode se ajustar ao seu gosto pessoal.”

Nossa receita clássica de Margarita pede 1 ¾ partes de tequila para 1 parte de suco de limão e ¾ parte de licor de laranja. Se você preferir uma bebida mais doce, troque metade do licor por néctar de agave. Ainda muito azedo? Continue adicionando agave e reduzindo outros ingredientes até atingir o equilíbrio perfeito.

Os bartenders geralmente preferem o néctar de agave ao invés de xarope simples para esse propósito, dizendo que ele fornece uma doçura mais suave e sutil.

4. Laranja Você está contente por ter comprado licor?

O ingrediente mais fácil de ignorar é o licor de laranja. Triple sec parece uma coisa estranha de se comprar por apenas um coquetel, certo? Você não pode simplesmente adicionar um pouco de suco de laranja ou algo assim?

Não se você quiser uma bebida bem balanceada. Triple sec, um termo usado alternadamente com curaçao, é um tipo de licor de laranja que oferece sabores frutados, bem como notas doces e amargas - todas essenciais para uma Margarita bem feita. Rótulos populares incluem Cointreau, Combier, Pierre Ferrand Curaçao e Grand Marnier.

Swanson gosta de usar Cointreau em suas Margaritas porque é feito com cascas de laranja amarga, então ela acha que é "mais seco do que muitas marcas de triple sec e consideravelmente menos doce do que Grand Marnier à base de conhaque", diz ela.

Kearns opta por Cointreau ou Combier, o licor de laranja de 1834 que pretende ser o primeiro triple sec do mundo. David Mor, gerente de bebidas da Cindy’s em Chicago, prefere Pierre Ferrand Dry Curaçao em suas Margaritas.

“A coisa mais importante que existe é evitar qualquer coisa que seja simplesmente chamada de‘ Triple Sec ’”, diz Kearns. “Esta foi uma declaração de marketing concebida pela Cointreau em um ponto de sua longa história, e marcas falsas aderiram a ela”. Considere-se avisado.

O que evitar ao fazer Margaritas

1. Não salgue a borda inteira.

Gosta das suas Margaritas com sal? Tempere fora, mas tome cuidado ao bordar o copo. O excesso de flocos inevitavelmente cairá em seu coquetel, prejudicando o sabor e o equilíbrio.

Coquetéis como a lenda do setor Dale DeGroff aconselham salgar um segmento da borda do vidro em vez de salgá-lo por inteiro. Evita que a sua bebida fique muito salina e dá-lhe a opção de tomar um gole com ou sem a boca cheia de sal.

“De modo geral, se fizermos um aro, fazemos meio aro”, diz Don Lee, sócio da Existing Conditions in NYC. “Dessa forma, todos têm a opção.” Certifique-se de salgar apenas a parte externa da borda do copo também, diz Lee.

2. Ignore a guarnição de limão.

Você provavelmente tem um ou dois limões extras por aí depois de fazer todo aquele adorável suco fresco. Não os corte em fatias para usar como guarnições, não importa o quão natural isso pareça.

Porque? Porque sua bebida está perfeitamente equilibrada neste ponto. Ao adicionar uma rodela de limão, você está convidando alguém a espremê-la em sua bebida. Isso vai “desequilibrar o equilíbrio cítrico do coquetel”, diz Mor. Em vez disso, ele sugere expressar uma casca de laranja por cima, dando à bebida um aroma cítrico sem a ameaça de mais ácido. Margaritas, como a maioria das coisas na vida, têm tudo a ver com equilíbrio.


Como ser um bartender superstar

Se você quer aprender a preparar bebidas como um profissional, provavelmente não quer fazer o que eu fiz em 1973, quando estava começando como um especialista nos Estados Unidos. Encontrei um bar onde os bartenders sabiam o que estavam fazendo e me tornei um frequentador assíduo lá, sentado no final do bar, ouvindo os garçons pedirem bebidas e vendo os bartenders prepará-las, todas as noites por cerca de um mês. Meu fígado deu uma palpitação terrível.

Em vez de sugerir que você passe pela mesma provação árdua, vou orientá-lo por 10 etapas que o colocarão no caminho para o estrelato do barman. Bem, algo assim. Antes de começarmos, saiba o seguinte: se você acredita que sabe o que está fazendo e se consegue fazer isso sem se desculpar, você está 90 por cento lá.

1. Ingredientes de medição

Medir ingredientes líquidos com precisão é muito fácil se você usar um jigger - o dispositivo que você viu bartenders usar que se parece com dois minúsculos cones de sorvete de metal unidos na base. Novos jiggers - especificamente a marca Oxo - parecem jarros em miniatura com linhas que mostram a quantidade de licor que você está servindo.

1 de 30 marco testa / E + via Getty Images Mostrar mais Mostrar menos

2 de 30 Neyah White, gerente de bar em Nopa, e Jackie Patterson, barman em Heaven's Dog e Smuggler's Cove, demonstram suas técnicas de agitação. Russell Yip / The Chronicle Mostrar mais Mostrar menos

4 de 30 Jackie Patterson, bartender no Heaven's Dog e Smuggler's Cove, demonstra como se esforçou com um coador de julep. Russell Yip / The Chronicle Mostrar mais Mostrar menos

5 de 30 Jackie Patterson, bartender no Heaven's Dog e Smuggler's Cove, demonstra esforço com um Hawthorne com uma torção no final. Russell Yip / The Chronicle Mostrar mais Mostrar menos

7 de 30 Neyah White, gerente de bar no Nopa, demonstra medição com um jigger. Russell Yip / The Chronicle Mostrar mais Mostrar menos

8 de 30 Neyah White, gerente de bar no Nopa, demonstra como fazer um antiquado. Russell Yip / The Chronicle Mostrar mais Mostrar menos

10 de 30 Jackie Patterson, barman do Heaven's Dog e Smuggler's Cove, demonstra tremor. Russell Yip / The Chronicle Mostrar mais Mostrar menos

11 de 30 Jackie Patterson, barman do Heaven's Dog e Smuggler's Cove, demonstra tremor. Russell Yip / The Chronicle Mostrar mais Mostrar menos

13 de 30 Neyah White, gerente de bar no Nopa, demonstra estar em chamas. Russell Yip / The Chronicle Mostrar mais Mostrar menos

14 de 30 Jackie Patterson, barman do Heaven's Dog e Smuggler's Cove, demonstra agitação. Russell Yip / The Chronicle Mostrar mais Mostrar menos

16 de 30 Neyah White, gerente de bar no Nopa, demonstra entusiasmo. Russell Yip / The Chronicle Mostrar mais Mostrar menos

17 de 30 Jackie Patterson, bartender no Heaven's Dog e Smuggler's Cove, demonstra ervas confusas. Russell Yip / The Chronicle Mostrar mais Mostrar menos

19 de 30 Neyah White, gerente de bar no Nopa, demonstra a borda de um copo. Russell Yip / The Chronicle Mostrar mais Mostrar menos

20 de 30 Jackie Patterson, bartender no Heaven's Dog e Smuggler's Cove, demonstra como resfriar um copo. Russell Yip / The Chronicle Mostrar mais Mostrar menos

22 de 30 Jackie Patterson, bartender no Heaven's Dog e Smuggler's Cove, demonstra como enxaguar um copo com 1/2 onça de absinto. Russell Yip / The Chronicle Mostrar mais Mostrar menos

23 de 30 Jackie Patterson, bartender no Heaven's Dog e Smuggler's Cove, demonstra variações cítricas. Russell Yip / The Chronicle Mostrar mais Mostrar menos

25 de 30 Neyah White, gerente de bar em Nopa, demonstra estar em chamas. Russell Yip / The Chronicle Mostrar mais Mostrar menos

26 de 30 Neyah White, gerente de bar no Nopa, demonstra a borda de um copo. Russell Yip / The Chronicle Mostrar mais Mostrar menos

28 de 30 Neyah White, gerente de bar no Nopa, demonstra entusiasmo. Russell Yip / The Chronicle Mostrar mais Mostrar menos

29 de 30 Jackie Patterson, bartender no Heaven's Dog e Smuggler's Cove, mostra frutas confusas. Russell Yip / The Chronicle Mostrar mais Mostrar menos

Não há nada de errado em usar um jigger, e alguns dos melhores bartenders de hoje fazem exatamente isso, embora outros mixologistas igualmente talentosos usem o método do free-pouring. Veja como é feito: coloque uma garrafa cheia de água com qualquer marca de bico de servir - diferentes estilos despeje em velocidades diferentes. Despeje no lado de 30 g de uma jigger, contando em sua cabeça, até ter derramado 30 g. Repetir. Repita novamente. Em breve você saberá com qual número contar para derramar uma onça e, quando souber seu número, poderá derramar com precisão sem um jigger pelo resto de sua vida. Desde que você use a mesma marca de vazador.

2. Agitando

Todas as bebidas que contenham ovos, laticínios ou sucos de frutas devem ser batidas, enquanto bebidas como o dry gin martini e o Manhattan devem ser mexidas. Embora alguns bartenders gostem de bater martinis, ninguém que valha o seu sal Margarita jamais mexeria uma bebida que pedisse, digamos, suco de limão, leite ou clara de ovo.

Também é bom saber que, ao esfriar a bebida, você também está tentando incorporar água suficiente para tornar o coquetel palatável: 30 ml de uma bebida de 120 ml devidamente mexida ou agitada será água derretida do gelo.

Embora os shakers de metal que incluem um coador embutido pareçam bem elegantes, eu prefiro usar um shaker Boston. O agitador Boston é feito de dois cones de fundo plano, um de metal e um de vidro. Há algo neste equipamento que me faz pensar que qualquer pessoa que possa usá-lo corretamente significa negócios. É uma ferramenta séria. E é fácil de dominar.

Despeje os ingredientes para a bebida, encha a metade do copo de mistura do shaker com cerca de dois terços de gelo e coloque a metade de metal em cima do copo, dando-lhe uma batida forte para garantir que formou uma vedação estanque.

Agora segure o shaker com as duas mãos - uma na parte do vidro, a outra no metal - e certifique-se de que o vidro aponte para o seu ombro enquanto você agita. Houve ocasiões em que o vidro voou do shaker e, se isso acontecer, você não quer que ele voe para dentro da sala à sua frente. Muito melhor que acerte seu ombro, certo?

Agora vou lhe contar o segredo de sacudir bebidas como um profissional: você tem que sacudir essa maldita coisa como se sua vida dependesse disso. Agite como se estivesse tentando misturar óleo e água. Faça uma cara de estúpido enquanto você está tremendo - todo mundo faz isso, você sabe. E agite-o por pelo menos 15 segundos se quiser que sua bebida esteja fria o suficiente.

Agora você tem que quebrar esse shaker. Segure a metade de metal em uma mão de forma que o vidro fique por cima e, usando a palma da outra mão, bata no metal com força no ponto onde os dois estão unidos.

Para obter uma receita de Mai Tai usando essa técnica, acesse sfgate.com/ZJCP.

3. Mexendo

Pegue a metade do copo de mistura de um shaker Boston, despeje os ingredientes, encha o copo com cerca de dois terços de gelo e pegue sua fiel colher de bar. Observe que sua colher de bar tem um cabo torcido. É uma parte funcional do design.

Segure a parte torcida da haste da colher entre o polegar e os dois primeiros dedos. Mergulhe a colher no copo de mistura e gire a colher para a frente e para trás, afastando os dedos e a seguir na sua direção. Enquanto estiver fazendo isso, você também deve mover a colher para cima e para baixo no copo. Mexa a bebida entre 20 e 30 segundos para atingir a temperatura desejada.

Para obter uma receita de Rob Roy usando essa técnica, acesse sfgate.com/ZJCP.

4. Esforço

Um dos meus bartenders favoritos costumava coar bebidas pelos dedos, e isso era algo de grande beleza, mas acho que você vai querer ser um pouco mais convencional, então vou orientar sobre como use um filtro Hawthorne com mola e um filtro Julep padrão. O filtro Hawthorne deve ser usado ao despejar da metade de metal de um shaker Boston, o filtro Julep é usado para coar bebidas do copo de mistura.

Coloque o filtro Hawthorne firmemente na boca do cone de metal ou deixe o filtro Julep descansar dentro do copo de mistura. Coloque o dedo indicador sobre a parte superior da peneira para segurá-la firmemente no lugar e coe a bebida para o copo de servir. Quando chegar à última gota, gire o copo com força em qualquer direção, voltando-o para a posição vertical, para que as gotas de líquido remanescentes não caiam na barra. É essa reviravolta que faz você parecer um profissional, então pratique algumas vezes antes de executar a manobra na frente de seus amigos.

5. Confusão

Se você pode confundir como quer, as pessoas vão te levar muito a sério. Muddlers - basicamente, pilões para bartenders - vêm em todas as formas, tamanhos e materiais. Eu prefiro bagunceiros de madeira porque eles se sentem bem, têm uma boa aparência e, por Deus, eles bagunçam bem também.

Você vai precisar de um copo forte para se confundir porque, dependendo dos ingredientes em questão, pode ser necessário colocar um pouco de graxa para cotovelos nele. Coloque um cubo de açúcar em um copo duplo antigo, regue-o generosamente com bitters, agarre seu bagunceiro pelo rabo e amasse todo aquele cubo de açúcar até que ele se dissolva completamente nos bitters. Se você acha que fez um bom trabalho, você pode querer pensar em adicionar um pouco de gelo e uísque e ter um bom Coquetel de Uísque à Moda Antiga.

Ao misturar ervas, você precisa ser um pouco mais gentil, para não liberar o amargor de seus caules. Você está apenas tentando espremer suavemente os óleos essenciais de, digamos, algumas folhas de hortelã, e dar sabor ao xarope simples que está no copo. O verdadeiro segredo por trás da confusão é garantir que você diga ao seu convidado o que está fazendo e por que está fazendo isso: "Estou sendo gentil com esta hortelã porque." Agora você está confundindo e se exibindo ao mesmo tempo . Como um verdadeiro barman.

6. Fazendo um toque cítrico

Citrus twists - as tiras de casca de fruta que incorporam um pouco da casca interna branca para dar firmeza - adicionam aroma e sabor a um coquetel quando o barman libera seus óleos essenciais na parte superior de uma bebida. Tente fazer torções de pelo menos 1/2 polegada de largura para que você tenha óleos cítricos suficientes para fazer a diferença. Algumas pessoas usam um zester, que pode render um enfeite bonito, mas a ideia de introduzir óleos essenciais na bebida se perde.

Segure a torção sobre o coquetel com o lado colorido apontando para a superfície da bebida. Segure a torção entre o polegar e o indicador. Gire uma extremidade no sentido horário e a outra no sentido anti-horário. Os óleos serão liberados e cairão no topo da bebida. Agora esfregue o lado colorido da torção ao redor da borda do copo de forma que qualquer óleo restante adira à borda do copo e coloque o torcido na bebida.

Quer ficar chamativo? Você pode colocar uma chama nesses óleos e vê-los brilhar enquanto voam da torção. Corte uma torção bem larga e coloque na barra ao lado da bebida com o lado colorido apoiado na barra. Agora acenda um fósforo ou um palito de dente e segure-o perto do topo da bebida. Pegue a torção com a outra mão e segure-a, com o lado colorido para fora, pelos lados, usando o polegar de um lado e os dois ou três primeiros dedos do outro lado. Segure a torção sobre a chama - para torções de laranja, é bom dar alguns segundos para que os óleos cheguem à superfície - e aperte para liberar os óleos. Apague o fósforo, jogue o twist na bebida e veja a admiração nos olhos do seu convidado.

Para obter uma receita usando essa técnica, acesse sfgate.com/ZJCP.

7. Usando ervas

É importante combinar o aroma da erva com o coquetel apropriado. Alecrim e tomilho, por exemplo, funcionam muito bem com bebidas à base de gim, coentro funciona em Bloody Marys e com tequila e menta é comumente usado no Mojito e, claro, no Mint Julep. Você descobrirá que se colocar, digamos, um raminho de hortelã na palma da mão e bater com a outra mão, imediatamente antes de colocá-lo em cima da bebida, o aroma será mais intenso.

Você também pode misturar ervas conforme descrito acima, ou pode simplesmente colocar um raminho desta ou daquela em seu shaker ou copo de mistura com o resto dos ingredientes da bebida - quando você mexer ou agitar o coquetel, os sabores da erva serão liberados , embora eles sejam um pouco mais delicados do que seriam se a erva tivesse sido misturada.


Bebidas de abóbora

Zucca

  • 2 onças de pisco
  • 1 colher de chá de coco ralado
  • 1/4 onça de gengibre suco
  • 2 colheres de sopa de manteiga de abóbora (Trader Joes)

Agite e coe em um copo alto com gelo.

Guarnição, enfeite, adorno: Casca de laranja polvilhada com canela

& # 8216 Zucca & # 8217 é a palavra italiana para abóbora e é outra das Greg Bryson & # 8217s bebidas de seu menu 2o12 outono em Hostaria Del Piccolo, Santa Mônica. Sinceramente, pensei que o uso de tantos sabores fortes como coco, gengibre, canela, abóbora e cerveja teria um gosto realmente desequilibrado e meio bagunçado. O resultado final é o oposto completo! Os sabores funcionam bem juntos e se complementam lindamente. Ao contrário da maioria das bebidas de abóbora, esta não é excessivamente cremosa e rica, em vez disso, é refrescante, ligeiramente doce e surpreendentemente equilibrada.

A receita é compreensivelmente um pouco difícil de recriar em casa, então se você estiver em Santa Monica neste outono, definitivamente dê uma passada na Hostaria para experimentar esta opção saborosa.

Grande abóbora

  • 2 onças de cerveja de abóbora
  • 1 oz Rittenhouse Bonded centeio
  • 1 oz Laird & # 8217s Bonded Apple Brandy
  • 1/2 xarope de bordo grau B
  • 1 ovo inteiro

Guarnição, enfeite, adorno: Noz-moscada ralada

Este coquetel cremoso de abóbora foi criado por Jim Meehan do PDT para seu menu de outono em 2008. Ele captura sabores ricos outonais perfeitamente usando conhaque de maçã, xarope de bordo e cerveja de abóbora. De acordo com & # 8216PDT Cocktail Book & # 8217, 2011 eles a chamaram de & # 8216Great Pumpkin & # 8217 como uma referência a Charles Schultz& # 8216s obra-prima & # 8216É a grande abóbora, Charlie Brown & # 8217, 1966.

Meehan sugere cerveja de abóbora Southampton, mas honestamente, qualquer boa marca vai funcionar. Using a whole egg makes this drink a ‘Flip’, and although a lot of people are put off by the thought of an egg in their drink, I have to say it’s honestly not so much a taste factor as it is mouth feel. When shaken well the egg creates a deliciously creamy foam, and that fluffy topping is the best part of the drink in my opinion! It basically tastes like a pumpkin egg nog. The nutmeg gives a great nose too, this is just a perfect drink for fall.

If you want to try it somewhere special this recipe is currently available on the drinks list at The Penthouse @ Mastros in Beverly Hills.

Anyway, that’s all I have for you… Go carve your pumpkins and get in the mood for October 31st!


Processing Payments

Having a balanced drawer at the end of the night is obviously important for any retail sales business. And bars are no exception. The trick with bars is that it’s a much more hectic environment than most other retail environments. Keeping accurate tabs, closing out payments quickly, and having a balanced drawer is no small feat in a busy bar. It requires great attention to detail. That’s why this rises to the level of one of the 7 most important bartender duties.


7 Tricks from Bartenders on How to Make a Better Mint Julep

While the Kentucky Derby may have passed, there’s no time like the present to enjoy one of the sport’s most deliciously iconic, refreshing drinks: the mint julep. Especially when the present—May 30—is Mint Julep Day. To celebrate the holiday, we’ve compiled tips, tricks and recipes from bartenders across the country, including the mint julep’s home state of Kentucky.

1. DON'T OVER-MUDDLE THE MINT.

Muddling is one of the most important steps in the mint julep process, according to James Bolt, beverage director and bar manager at The Gin Joint in Charleston, South Carolina. But don’t just start pounding away first, you must understand the process.

“Most people think muddling is the hard pounding motion of breaking up and releasing the flavor, but such force will release a bitter compound,” says Bolt. “The key is to gently press on the mint leaves so the natural oils are released.”

2. SAVOR THE SMELLS.

The mint julep is as much about flavor as it is smell. To capitalize on the mint’s inherently strong scent, Bolt suggests placing your head as close to the straw as possible to soak up the aromas. Cincinnati’s most respected mixologist, Molly Wellmann, also recommends placing the straw directly down the middle of the mint sprig to further excite the senses.

3. RUB THE GLASS.

Take the sensory overload one tasteful step further by rubbing the glass with mint leaves prior to pouring the drink. This trick belongs to Keri Smith, head bartender at Doc Crow’s Southern Smokehouse & Raw Bar in Louisville, Kentucky. By rubbing the glass, the mint’s oils last longer, adding that strong, minty aroma to each and every sip.

4. USE FRESH, CRUSHED ICE.

While ice is usually an afterthought, it’s of utmost importance when it comes to the mint julep. Pros like Bolt and Wellmann opt for freshly crushed ice rather than the standard cubed variety, but rest assured: Even if you don’t have a fancy ice-crushing machine, you can still make a mean mint julep.

“Use a Lewis bag and a mallet, or a shaker and a muddler,” Wellmann says. “Just be sure to use crushed ice!”

5. “EXPERI-MINT” WITH ALTERNATIVE INGREDIENTS.

Sure, the drink’s called a hortelã julep, but you don’t have to stick solely to mint. Smith has a number of unconventional mint julep concoctions at Doc Crow’s, such as a mint julep lemonade and a Near Easter Julep that substitutes basil for mint, and includes ginger for warmth and spice.

6. BRING OUT THE BIG BOURBONS.

A high-class drink deserves high-quality liquor. Fred Minnick, the Kentucky Derby Museum’s bourbon authority and drinks historian, suggests using high-proof bourbons that “will stand up to the ice and stick out.” His favorites are Baker’s Bourbon, a seven-year-old, 107-proof whiskey from Jim Beam, or 107-proof Old Weller Antique, the only accessible wheated bourbon that can handle the mint julep’s ice.

7. ADD A SPLASH OF RUM.

Why should bourbon have all the fun? Wellmann likes to spice things up, topping off her mint juleps with a little dark rum to bring out the drink’s caramel and vanilla notes.

As you prepare your own concoctions to celebrate today’s national holiday, here are two recipes to get you well on your way to mint julep perfection.

The Gin Joint Mint Julep, courtesy of James Bolt

2 ozs Old Grand-Dad Bottled-in-Bond Bourbon (or customer’s bourbon of choice)
.5 oz Demerara simple syrup
2 travessões Angostura bitters
10-12 fresh mint leaves

Add the mint leaves to a Julep tin and gently muddle to extract essential oils. Then add the Demerara syrup, bourbon and Angostura bitters. Fill the julep tin with crushed ice and shape in to a snow cone of ice on top. Gently garnish with slapped mint and a straw.

Doc Crow’s Near Eastern Julep, courtesy of Keri Smith

2 ozs Old Grand-Dad Bottled-in-Bond Bourbon
.5 oz Becherovka
.5 oz ginger syrup
Basil leaves

In a double old fashioned glass, rub basil leaves along inside. Add ingredients to glass. Fill glass with crushed ice, swizzle with bar spoon for five seconds. Garnish with slapped basil leaf.


Mudslide

The Mudslide is the quintessential boozy milkshake: sweet, creamy and rich. Its popularity harkens back to a time when we took our cocktail cues from the laminated menus of chain restaurants. Which is to say, it’s not generally an exercise in balance and craftsmanship.

The Mudslide was born in the 1970s at Wreck Bar in Rum Point Club on Grand Cayman Island. Yes, it seems more like an après-ski cocktail than something you’d sip on a sandy beach. But it was invented when a customer wanted a White Russian and the bar tweaked the recipe to feature Irish cream. The effortless drink was a hit, finding its way to American shores and quickly becoming a favorite at TGI Friday’s and at-home cocktail parties.

Most versions of the Mudslide are drowned in ice cream and served in circus-size glassware, resulting in a brain freeze and your daily dose of calories in one cocktail. This Mudslide sways leaner and showcases the spirits rather than just the sugar and dairy. The vodka, coffee liqueur and Baileys provide a boozy kick that cuts through the rich cream, while the chocolate garnish adds a visual hint of “mud” to the drink and lends additional aroma and flavor.

Make a Mudslide after dinner or whenever you have a sweet tooth. Using heavy cream is the best bet here, as 2% milk or skim won’t produce the same results. If you really want to fancify your drink, swap the vodka for your favorite French brandy, and you’ll enjoy an extra dose of flavor.


Our top ten favourite UAE mocktails

If there’s one thing that restaurants in the UAE can be counted on to get right, it is the mocktail. We’ve seen some incredibly exotic varieties that boast ingredients we would never have thought of putting in a drink – including camel milk, dates, goat’s cheese, hot chillies, spices and gold. With the heat rising, we went on the hunt for the tastiest, most refreshing mocktails to help keep cool this summer. Here, in no particular order, are a few of our favourites

If you haven’t checked out Palm Grill at the Ritz-Carlton Dubai yet, the soon-to-be-launched G&J mocktail is as good an excuse as any to do so. Set on the beach with breathtaking views, this breezy restaurant serves up some serious mocktails that take an impressive – almost obsessive – amount of work to prepare. For the G&J, bartenders first clarify grapefruit juice then add water, sugar, lemon salt, sea salt and blend. Then they carbonate it with a cream whipper and two cartridges of CO2. The drink is chilled while the mixologists move on to part two, which involves simmering juniper berries and coriander for 30 minutes, before adding sugar and orange zest. That is cooled and then chilled for four to five hours. It is then strained, lemon juice is added and the whole thing is popped into the freezer. Once frozen, bartenders make a granita (by scratching it up with a fork until it resembles coarse snow), add it to a glass and pour the carbonated grapefruit juice over it. The icy, slushy texture of the drink is rejuvenating and the slightly bitter taste is balanced by the sea salt. It’s sweet, sour and also has a botanical, spice-driven flavour. Considering what goes into this drink, it’s a steal at Dh35 and is set to be added to the menu this week. For a snack to accompany your mocktail try the ceviche mixto or the crispy fried calamari with lemon aioli.

• Dh35 Palm Grill, Ritz-Carlton Dubai

The slim, unassuming Social Room bar adjoining Jason Atherton’s hotly hyped Marina Social restaurant is easy to overlook – but this stand-alone spot is well worth a visit, even without a reservation next door. The Long Peach Spiced Tea bursts with flavour – it is a light, summery drink that infuses a refreshing iced-tea base with an added festive punch: clutters of star anise, cinnamon, clove, cardamom and lemon. Also worth a try is Beet Around the Bush, a heavy, hearty stew combining beetroot and tomato juices, plus Worcestershire sauce and served with a cute jar of Tabasco. The vibe is chic and slick, oozing after-hours affluence, with smart, speedy staff, dim lighting and inoffensive house beats. The bar bites come recommended, too. Try the charmingly rustic homemade pizza or splash out on the decadent Wagyu sliders.

• Dh25 Social Room at Marina Social, InterContinental Dubai Marina

For a taste of something new, try the Jagger Jam Pot at soon-to-open restaurant Tamba in The Hub, a chic new space inside the The Mall at World Trade Center Mall Abu Dhabi. The licenced restaurant is a modern, funky space with an interior that caters to the trendy elite. It looks set to be the next hot spot in the capital when it opens its doors on April 22. The chefs cook, grill, mix and make Indian dishes using techniques from global cuisines (this might be the only Indian restaurant in the world that uses a Japanese robata grill). The mocktails are inspired, with names such as Dragon Flower, the Kolkata Libation and the Telangana. The Jagger Jam Pot is made with guava juice, jaggery syrup, lime juice, masala syrup and cinnamon, served on a pile of ice. It’s light and spicy, fortifying and fiery: the perfect combination for a perfect night out.

• Tamba, The Hub, The Mall at World Trade Centre Abu Dhabi

Mocktails are often treated as second-class citizens in the beverage stakes, usually buried on the last pages of a menu. That’s not the case at lavish new Emirati restaurant Seven Sands. From a well-illustrated menu to informed staff, mocktails are celebrated in this alcohol-free venue, which is worth a visit if you want to see the breadth of flavours you can include.I like my mocktails with a bit of a kick – otherwise I feel I am sipping glorified fruit juice. The Black Cinnamon Mojito certainly makes an impression even before the first taste. It looks positively adventurous, with a mini rainforest emerging from the long glass: mint leaves, fat lime wedges and healthy chunks of blackberry. The real star, though, is a cinnamon stick, which gives the whole tropical affair welcome gusto. Ask the waiter to add a cinnamon stick and this mock-mojito is dynamite. Also worth trying is the Blue Azure, as pictured on our cover.

• Dh28 Seven Sands, JBR, Dubai

With stunning views along the corniche, Asia de Cuba occupies prime real estate in the capital. The chic, outdoor space and ­ultra-cool vibe is hard to resist by day or night. While it’s most definitely a place to see and be seen, the restaurant and bar also knows how to deliver when it comes to taste (the generously portioned bento boxes are a must-try lunch item, for example, and they all cost less than Dh95 – try the Cuban. You won’t be disappointed). The food is good, but this is also one place where it is totally acceptable to skip the meal and just pop in for a drink or two. For a cosmopolitan twist on a breezy, summer mocktail, try the Maripossa Rossa. This light, rose-coloured drink is a combination of lime juice, watermelon juice, spiced syrup, hibiscus syrup and an egg white. The ingredients are shaken to perfection over ice, with the egg white leaving a frothy foam on top for visual appeal. Garnished with a skewered raspberry, the drink is upscale and sophisticated – a shining example of all that is right in the often under-appreciated world of mocktails.

• Dh45 Asia de Cuba, Abu Dhabi

I firmly believe that a meal or a drink can taste better or worse depending on the setting in which it is served. There are few places in the capital more serene, more relaxing – or with better views – than the ­beachside-dining restaurant aptly named the Beach House at the Park Hyatt Abu Dhabi on Saadiyat Island. Pull up a chair on the quaint terrace, admire the view of the stunning turquoise water and order its Berry Berry Mocktail. This brightly coloured beverage contains raspberries, blueberries, strawberries, lime juice, cranberry juice and is topped with a dash of grenadine. They’re all popped into a blender with a load of ice to make a bright, invigorating drink that will keep you cool on the hottest summer days.The flavour and the freshness of the berries shine and this is one mocktail that ranks high on our list. Simples. Pure. Fresh. Não perca.

• Dh33 Beach House, Park Hyatt Abu Dhabi

This mocktail is Bread Street Kitchen’s signature “driver’s choice” according to staff – and one sip reveals why. It’s divine and tastes like a tropical treat – creamy, smooth and sweet with just a hint of spice. It is a mix of freshly squeezed pineapple juice, black cardamom syrup, a dash of lime juice, coconut milk and manuka honey. It is served in a tall glass over ice with a glug of chilled seltzer water, topped off with a sprinkling of crushed pink peppercorns, a sprig of rosemary and a slice of cucumber. The lingering taste is of cardamom, which is a nod to Arabia and gives the mocktail a unique depth. One of the most impressive things about the drink is that all of the fruit juices are squeezed on the spot – not a carton in sight – which makes all the difference.

• Dh35 Bread Street Kitchen by Gordon Ramsay, Atlantis Hotel, Dubai

A Ghaf, a Goat and a Camel

The opening of this luxurious bar is the talk of the town and it is a must-see for tourists and residents alike. In keeping with the 24 carat-gold surroundings, mixologists at Gold on 27 have come up with a prodigious mocktail menu that incorporates gold leaf and gold pearlescence powder. Element 79 aside, another standout creation is A Ghaf, a Goat and a Camel, inspired by an old saying that “death will not visit a man, even at the time of a famine, if he has a Ghaf tree, a goat and a camel”. The main ingredients are cascara milk, bourbon vanilla, white peach nectar and – to make it interesting – goat’s-cheese foam and a beetroot chip garnish. It is a heady mix of sweet and savoury that will convince you drinking cheese is the next big thing. This mocktail is only just eclipsed by the panoramic views of Dubai and the Arabian Gulf from every table. Nibble on the bar’s nori tempura chips and drink in the view. Reservations must be made in advance – mark my words, the gold rush is most definitely on.

• Dh80 Gold on 27, Burj Al Arab Hotel, Dubai

It’s one big fruit party with this zany offering from Barfly. Amid the tranquil surroundings and subdued lighting of the Venetian Village, Fashion Fresh certainly looks arresting, with its combination of rhubarb jam, mango purée and a mix of red and green apples. The resulting taste is tangy and the apples give it a nice acidic punch. To convince yourself that this sweet offering is somewhat healthy, note that it is garnished with beetroot.

• Dh50 Barfly, Venetian Village, Abu Dhabi

Upscale Lebanese restaurant Byblos Sur Mer digs deep into the country’s history to serve dishes that are authentic and inspired, and they all come with a little something extra – a modern, personal twist, says executive chef Danny Kattar, to make it unique. The restaurant’s list of mocktails is no different. The Lemonade Batrounieh wins big points for taste and visual appeal. It comes from the Batroun region in northern Lebanon. Batroun is one of the oldest cities in the world and there’s a lot to take in while visiting the popular tourist destination. One thing not to miss if you visit the region is the fresh lemonade for which it is renowned. For an authentic taste of Batroun without leaving Abu Dhabi, try the version served at Byblos. Fresh lemons are cut and soaked in crushed ice, rosewater and sugar for 48 hours to infuse all the flavours. The lemons are then squeezed by hand into the infused juice to obtain optimum flavour. It is strained and served in an icy copper tumbler, garnished with imported Turkish delight, mint leaves and a cinnamon stick, which you are supposed to soak in the juice and suck for an extra hit of ­flavour. When it’s 45 degrees outside, your body will thank you for this mocktail.


The Country’s Best Bartenders Will Make Drinks Inspired by Your Favorite Song

On The Record, the new Las Vegas nightclub and speakeasy from scene-making L.A. twin brothers Mark and Jonnie Houston, is a music-inspired spot that wants to evoke the pre-iPod era.

The 11,000-square-foot space begins with a two-story record store. On the Record also has karaoke rooms inspired by the 1970s, ’80s, and ’90s. As the Houstons walk me through the club, they reveal that they’re using the front end of a chopped-up Rolls-Royce as a DJ booth. Outside on the patio is another DJ booth inside a British double-decker bus.

On The Record, with its vintage posters, album art, and sensor-activated light-up floors, is art-directed like a transporting movie set. The Houstons like to think about how working on this space feels like discovering a hidden catacomb in the Park MGM resort. And if you find something that’s such a blank slate, why not build a time machine?

So, yes, On the Record will have its grand opening on December 28 with the official after-party for Lady Gaga’s Park Theater residency debut, but it’s also a place where you might hear songs by Fleetwood Mac, David Bowie, or Talking Heads. There’s even a room where you can pick an album and have a truly one-of-kind cocktail experience built around what’s playing in your headphones.

On the Record’s Vinyl Parlor is a 25-capacity lounge where guests get record players and bluetooth headphones. Select an album or a specific song and you can enjoy a drink inspired by it. So if you pick, say, “Pretty in Pink,” you might get a cocktail with cotton candy or perhaps a pink liqueur.

Different guests could pick the same song and get different drinks. You could select a song twice in one night and end up with two different cocktails if that’s what you’d like.

“You’re capturing a moment for a guest that may never be replicated,” says Craig Schoettler, corporate mixologist at MGM Resorts. “It’s not choreographed. You’ve got a completely bespoke experience.”

Bartenders will make cocktails based on the vibe of the customer and the dynamics of the moment: what time it is, whether it’s the beginning of your night or you’re having a nightcap, whether you’re on a date or with a big group. And, anyway, Schoettler adds, think about how a multi-layered song like Queen’s “Bohemian Rhapsody” changes moods and speeds, and how this can make you feel distinctly different ways. Or consider how Jimmy Page’s guitar solos can change from concert to concert. The Vinyl Parlor is a place for riffing.

Beyond these customized drinks, the Vinyl Parlor will also have a menu with a dozen-or-so music-inspired cocktails from some of the country’s most respected bartenders. All of these bartenders-in-residency will take turns making drinks at the Vinyl Parlor in the next year.

Jillian Vose of New York’s Dead Rabbit, for example, will be at On the Record on January 18 to 19. Her contribution to the Vinyl Parlor menu is the Psycho Killer cocktail with Redbreast 12-year-old Irish whiskey, absinthe, campari, Giffard white crème de cacao, and Giffard Banane du Brésil in a Nick & Nora glass.

Erick Castro of San Diego’s Polite Provisions will have his Road to Nowhere with Commerce gin, lemon juice, pineapple juice, yellow chartreuse, honey syrup, orange bitters, and absinthe at the Vinyl Parlor. NoMad’s Leo Robitschek will have the Detox-Retox with blended Scotch, Venezuelan rum, pineapple rum, aged cachaça, coconut water, and angostura bitters.

“You come to Las Vegas and you get the greatest hits of the United States, bartending’s greatest hits,” Schoettler says.

The Vinyl Parlor’s bartenders-in-residency lineup also include New York bar stars like Alex Day and David Kaplan of Death & Co., Jim Meehan of PDT, Pamela Wiznitzer of Henry at the Life Hotel, and Ivy Mix of Brooklyn&aposs Leyenda. California is being represented by mixologists including Kevin Diedrich of San Francisco’s P.C.H., Ryan Fitzgerald of San Francisco’s ABV, Josh Harris of San Francisco’s the Bon Vivants, and Aaron Polsky of L.A.’s Harvard & Stone. Las Vegas’ own Tony Abou-Ganim and Daniel Marohnic will also take a turn behind the bar, as will Simon Ford of Fords Gin.

The Vinyl Parlor’s menu will be a mix of hit drinks and original creations. The plan is to have seasonal cocktail menus. Other bartenders will be announced in the future.

The Houstons grew up in L.A. and fondly remember visiting Tower Records and other record stores to look at album art, buy music, wait in line for concert tickets, and leave with something “tangible.” It’s the kind of shared experience that’s dying, of course, which is something that the brothers think is unfortunate. But one reason that On the Record exists is to remind you that all kinds of music still bring people together. Karaoke, for example, can turn complete strangers into instant friends. And it only helps that the T-Mobile Arena’s concerts are steps from Park MGM.

On the Record will have impromptu live performances. Expect surprise guests, cabaret acts, and some jazz. The Houston brothers plan to offer food on the patio. The idea is to bring in some high-profile chefs that they’ve encountered at music festivals like Coachella. Stay tuned.

On the Record, 3770 S. Las Vegas Blvd., Las Vegas, 702-730-7777


Assista o vídeo: Arlindo Cruz - Meu Lugar (Dezembro 2021).